Dia Municipal de Capoeira

Sessão itinerante da Câmara e Roda de Capoeira marcam o Dia Municipal da Capoeira

Por Ramáiana Leal/SECULTE

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Na noite desta quinta-feira, 23, no Arco da Ponte, em Juazeiro, aconteceu uma sessão itinerante da Câmara de Vereadores para homenagear o Dia Municipal da Capoeira. O evento, que foi articulado pelas Secretarias de Cultura, Turismo e Esportes e Desenvolvimento Social faz parte das ações do Novembro Negro e contou com a presença de vereadores, secretários e deputado estadual Roberto Carlos.

O vereador Agnaldo Meira, representando o Presidente da Câmara Alex Tanuri, que precisou se ausentar, explicou que essa é a terceira vez que a sessão acontece. “A proposta era tornar este dia – em que nasceu o Mestre Bimba, que conseguiu levar a capoeira da Bahia para o mundo, o Dia Municipal da Capoeira e então realizarmos uma sessão diferente. É um momento de muita emoção, da cultura forte que traz educação, saúde, dança, alegria e faz com que haja interação das pessoas. Essa sessão conta com participação e incentivo do Poder Municipal, que proporciona estrutura que pode ser utilizada para a prática da capoeira, como quadras poliesportivas, espaço de campo de futebol ou mesmo no terreiro, onde a capoeira surgiu”, disse.

Marco Antônio Ribeiro, mais conhecido como Mestre Rasta, sentou à mesa junto com os vereadores representando a capoeiragem de Juazeiro. “Esse é um dos pontos importantes para cidade e para a história da capoeiragem. É o ponto de partida para que os capoeiristas se sintam organizados, sintam-se também parte da sociedade. A gente vem para um espaço público e é visto por todo mundo, é respeitado, valorizado”, afirma.

Durante a sessão foram homenageados o Mestre Assis, a Professora Tartaruga e o capoeirista Elieser (in memorian) – que fazia capoeira de rua numa época em que não existiam as academias na cidade de Juazeiro. “Ano passado o meu outro filho também foi homenageado e é maravilhoso isso. A gente lembra da luta que eles tiveram que enfrentar, pois o pai deles não queria, dizia que era coisa de malandro. E eles persistiram e fizeram o que gostavam. Derramei minhas lágrimas vendo a roda de capoeira, mas meu coração está cheio de alegria”, disse dona Agnélia Maria dos Santos, mãe de Elieser.

“Realizar esse evento é importante para o fortalecimento do capoeirista, assim como dos Mestres de capoeira mais antigos, que têm um trabalho prestado à comunidade. Foi um evento bonito e de extrema relevância por ser festejado dentro das ações do Novembro Negro pela valorização da cultura negra. Mestre Bimba fez a capoeira expandir para o mundo, o município de Juazeiro celebra o momento”, conclui o Secretário de Cultura Turismo e Esportes, Sérgio Fernandes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *