Sedes realiza palestra no Conjunto Penal Feminino de Juazeiro

Conjunto Penal Feminino recebe palestra dentro dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher

Por Fabiana Diniz/SEDES

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Uma palestra no Conjunto Penal Feminino de Juazeiro na tarde terça-feira (05) fez parte da programação dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher, realizada pela Secretaria de Desenvolvimento Social, Mulher e Diversidade (SEDES).

Durante a ação, a palestrante abordou os diversos tipos de violências sofridas pelas mulheres e ouviu os relatos das participantes. “Esse encontro é uma contribuição enquanto psicóloga e um dever de todo profissional no combate à violência contra a mulher, principalmente a mulher encarcerada que tem uma realidade totalmente diferente. Infelizmente, a maioria ainda é carente de informações sobre os seus direitos e do quanto necessitam acreditar em possibilidades de retorno à sociedade com dignidade e respeito”, ressaltou a psicóloga.

O pedadogo do Conjunto Penal, Enio Costa, acredita que a luta pelo fim da violência contra a mulher deve ser uma bandeira de todos. “Devemos falar sobre o enfrentamento em todos os espaços, pois a violência de gênero é o tipo que mais afeta a vida das mulheres gerando insegurança, medo, sofrimento, lesões físicas, mentais e sexuais, além da permanente ameaça e efetiva morte”, declarou.

Durante a palestra muitas detentas ficaram à vontade para falar sobre suas experiências, uma delas foi Lília Almeida que avaliou de forma positiva o evento. “Foi um momento muito especial com o qual aprendi muito. Certamente colocarei todos esses ensinamentos em prática quando sair daqui”, declarou.

Desde o início da campanha em 25/11, estão sendo desenvolvidas atividades de conscientização abordando o tema da violência doméstica, da prevenção ao enfrentamento. “A cada ação promovida nesses dias de campanha encontramos realidades diferentes a partir dos relatos ouvidos, mas encontramos em comum as violências sofridas pelas mulheres que ainda são marcantes. Então, precisamos intensificar essas ações a cada dia e buscar banir de vez essa realidade na nossa sociedade”, completou Quitéria Lima, diretora de Mulheres da SEDES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *